Fale Conosco Página Principal
 
 

PUBLICAÇÕES


CLIMA TEMPO




LINKS SUGERIDOS



PSICOCAMP

Ultramaratonas


Morte na Maratona de NY

 

Em relação à morte do esportista, será importante averiguar como foi avaliado esse brasileiro que faleceu na maratona de NY. Vejam só que a possiblidade de não detecção de doenças cardíacas de risco é de 2%, com cardiologista experiente em esportes. O não especialista tem mais dificuldades logicamente.  
As possibilidade desse não diagnóstico poderá ocorrer por:
 

1. Desconhecimento técnico do médico não cardiologista em detectar alterações mesmo discretas nos exames de pré-participação.
2. Desconhecimento de que significativo percentual de atletas que tiveram morte súbita, até 10 dias antes tiveram sintomas premonitórios não valorizados e que essa possibilidade não foi repassada aos esportistas (estudo da American Heart Association de 2000 ) . O brasileiro que faleceu , sentiu -se mal durante a maratona, avisou um colega, mas continuou a correr e ... aí teve a parada cardíaca. Há muito avisamos que qualquer mal estar no esforço, deve ser valorizado e comunicado ao médico.
3. Na faixa de idade acima dos 40 anos, as pessoas devem saber que Correr Maratona não é como passear no Shopping, precisamos de preparação física e técnica orientada, avaliação médica especializada em cardiologia do esporte, ao menos 6 a 9 meses antes. 
4. Na verdade é impossível o risco zero, sendo assim qualquer evento médico deveria ser esmiuçado aos mínimos detalhes, para que possamos preveni-lo ao máximo, com as limitações razoáveis do ser humano.
5. Não devemos tapar o Sol com a peneira, vamos ter mais problemas sem dúvida. Os exageros e falsas garantias de sucesso são parte do dia a dia do modismo das corridas (muitas sem responsabilidade pelo Brasil afora) que temos. Boas empresas de consultoria física nós temos, os clientes chegam aos borbotões, então o que fazer ?


    a) Não podemos facilitar os pré - requesitos de avaliações pre-participação que devem ser sempre completas, 
    b) Não desvalorizar pequenas alterações que encontramos, e nesse caso não deixar de solicitar segunda opinião ou junta médica, com humildade e responsabilidade visando o bem estar do nosso cliente.                                      

Afinal ninguém sabe de tudo e nem é anjo !

Abs


Dr. Nabil Ghorayeb
- CREMESP 15715
Doutor em Cardiologia (FMUSP)
Especialista  em  Cardiologia  e Medicina do Esporte

Nossa entrevista no programa Jornal Gente da Radio Band AM e FM, sábado dia 2 de setembro 2017 - Cardiologia e Medicina do Esporte
Ouça aqui

 

Facebook CardioEsporte Total


 



Última atualização: 25.01.2015, por Lógika
® CardioEsporte - Todos os direitos reservados.