Fale Conosco Página Principal
 
 

PUBLICAÇÕES


CLIMA TEMPO




LINKS SUGERIDOS



PSICOCAMP

Ultramaratonas


É sério, tenho medo de ter infarto!

 

Esse pensamento já deve ter passado pela sua cabeça, mas não foi sequer mencionado a ninguém, afinal seria sinal de fraqueza. Muito já se falou do assunto e mesmo assim “novidades” semanalmente são divulgadas na mídia.

Afinal o que se sabe sobre o infarto? Existe uma pílula mágica? Tratamentos alternativos? Rejuvenescimento é válido ou é picaretagem? Qual exercício físico devo escolher ?
Vamos por parte.

Infarto ou enfarte do miocárdio significa que células sofreram necrose ou morte por falta de oxigênio. Simples, o mecanismo mais freqüente é a obstrução total das artérias que nutrem o coração (coronárias) por placas de gordura que se rompem, e para impedir o seu extravasamento são recobertas por “trombos de plaquetas” o que na verdade acaba por obstruir totalmente a passagem de sangue. Por isso, o tratamento moderno segue novos paradigmas: desobstruir com medicação injetável (os trombolíticos) ou a angioplastia (cateter-balão que ao ser insuflado esmaga a placa obstruída) altamente eficiente até seis horas do início dos sintomas.

Quanto mais precoce a intervenção maior é a chance de sucesso, isto é, “em reverter o processo de infarto”. Por isso, a rapidez do atendimento em hospital equipado é fundamental.

 

Os fatores de risco que levam a essa doença, ainda são os conhecidos: tabagismo por mais de 15 anos; colesterol ruim (LDL) acima de 130 mg% para os sem outros problemas, naqueles com alguma cardiopatia prévia acima de 80 mg %; hipertensão arterial não controlada, ou seja sentado níveis de pressão acima de 130 x 85 (13x8,5); diabete: duas glicemias de jejum acima de 126 mg% e intolerância à glicose: glicemia entre 100 e 125 mg % ; circunferência abdominal no homem maior que 102 cm e 88 cm na mulher; sedentarismo, significando a falta de atividades físicas além das mínimas necessárias para a vida; por fim o esperado estresse onde a explicação mais aceita é de que o problema resume-se a respostas agressivas ao estresse natural do dia a dia (a resposta ao bom dia! é um bom dia porque?).

A possível importância de novos fatores de risco como o PCR, homocisteína ainda na tiveram sua importância comprovada até o momento, sendo desnecessários na pratica médica atual.

Pílulas e soros milagrosos não existem, como as tais cápsulas de cactus, procaínas, vitaminas, dietas do tipo sanguíneo etc. tudo sem comprovação e combatidas pelos organismos científicos/éticos de todo o mundo. A ciência é coisa séria com estudos longos, milhares de pacientes, troca de informações em congressos oficiais etc.

As recomendações médicas baseadas em evidências científicas são claras e possíveis de se fazer a qualquer momento.


1- Abandonar imediatamente o fumo, com ou sem ajuda médica/psicológica. Em semanas já ocorre a queda do risco cardiovascular
2- Controlar os níveis de colesterol, SEMPRE iniciando com reeducação alimentar e em seguida se for necessário, com medicamentos como as estatinas, supervisionado por médico para evitar efeitos colaterais.
3- Controlar a pressão para, alcançar em semanas, os níveis considerados ideais pela Sociedade de Cardiologia.
4- Controlar o diabete e a intolerância à glicose, inclusive a glicemia de 2 hs pós- refeição abaixo de 140 mg%. Manter a circunferência abdominal dentro do padrão recomendado.
5- Atividade física: novas e simples recomendações (agosto de 2007) foram divulgadas pelas Associação Americana de Cardiologia e Colégio Americano de Medicina do Esporte: caminhadas mais aceleradas (trote) 5 x semanais de 30 minutos cada e exercícios de fortalecimento muscular por dois dias. Pessoas com mais de 40 anos avaliação cardiológica competente incluindo teste ergométrico feito por cardiologista.
6- Combater a resposta agressiva ao estresse usando um “fio terra” ou algo que descarregue essa energia negativa. Poderá ser, desde esportes a leituras, na verdade fazer algo prazeroso e relaxante.


A tomada de decisões para a manter a saúde é prioritária entre os executivos, a dedicação ao trabalho é certamente acima do saudável e a temida cardiopatia isquêmica costuma atingi-los no auge da produtividade e do convívio social. As simples recomendações descritas são conhecidas e só necessitam do primeiro passo. Um alerta faz-se necessário, não acreditem nos tratamentos especiais e nas curas milagrosas oferecidas na mídia cotidiana, converse com seu médico de confiança (ou contacte o CRM de SP) antes de embarcar em polêmicas soluções de resultados no mínimo duvidosos.



Dr. Nabil Ghorayeb
- CREMESP 15715
Doutor em Cardiologia (FMUSP)
Especialista  em  Cardiologia  e Medicina do Esporte
Premio Jabuti de Literatura de 2000  
Autor do best-seller de prevenção “ Ninguém Morre de Véspera” – Ed Phorte

 

Radio Sputnik Brasil
Nossa entrevista à Rádio Sputnik Brasil, dia 14 de junho 2018
Ouça aqui  



Nossa entrevista no programa Jornal Gente da Radio Band AM e FM, dia 2 de setembro 2017 - Cardiologia e Medicina do Esporte
Ouça aqui

 

Facebook CardioEsporte Total


 



Última atualização: 25.01.2015, por Lógika
® CardioEsporte - Todos os direitos reservados.